7. Ciprofloxacina: artigos que provam sua essência maquiavélica

Segue uma seleção de artigos sobre o tema. O conjunto apresentado aqui sem dúvidas não é exaustivo. Ao pesquisar é possível perceber que muitos dados não são divulgados e até mesmo pesquisas são omitidas e muitas informações cruciais não chegam ao público em geral.

Apesar do assunto de ter sido muito debatido por organizações como a PUBLIC CITIZEN –http://www.citizen.org – que culminaram em um processo sobre a FDA e troca de tarja das quinolonas, muitos estudos ainda estão em desenvolvimento.

 “Agency Issues ‘Black Box’ Warning for Antibiotics Known as Fluroquinolones

http://www.webmd.com/osteoarthritis/news/20080708/fda-warning-cipro-may-rupture-tendons

 Confira aqui documentos e artigos da organização sobre a droga:

http://www.worstpills.org/results.cfm?drug_id=142&x=18&y=8

 Nota:  é uma pena que não dispomos de uma organização como tal no Brasil.

 

A Public Citizen foi fundamental na batalha para frear a prescrição e venda destas infernais drogas, poupando assim muitas vidas de pessoas que poderiam vir a usa-las. Mérito para os americanos.

 “Após diversos processos voltados à Food and Drug Administration, conduzidos por organizações como a Public Citizen, a Ciprofloxacina passou a ser apresentada em caixas com advertência preta (a classificação para as drogas com maior potencial de riscos) nos Estados Unidos. A FDA afirma que a medicação merecia fazer parte do grupo devido ao alto risco de rompimento de tendões.”

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciprofloxacina

*Detalhe: O alto risco de tendões é uns dos efeitos colaterais mais fracos deste grupo de antibióticos. Danos ao sistema nervoso central e periférico estão aos poucos sendo incluídos nas bulas, entre outros, como o descolamento de retina.

 Certamente as farmacêuticas já são detentoras de dados que justificam a retirada das fluorquinolonas/quinolonas do mercado (o que já foi feito com mais de 50% das drogas deste grupo), mas, como no caso de 1985 onde uma famosa farmacêutica, a BAYER, mesmo sabendo que vendia produtos contaminados com HIV, ainda os comercializou por mais 1 ano, ou seja, é lucrativo vender, ainda mais se o que se vende iria para o lixo.

bayer_aids

 “…mais da metade dos antibioticos desta classe foram removidos da prática clinica devido seus severos efeitos colaterais. Omniflox, Raxar, Trovan, Zagam, and Tequin foram todos banidos. Entretanto Cipro, Levaquin, Avelox, e Floxin continuam sendo prescritos para uma variedade de infecções.”

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/07/18/antibiotics-to-avoid-like-the-plague-due-to-fdas-oversight-failure.aspx

 

Confira:

http://www.aids.gov.br/noticia/hemofilicos-acionam-bayer-por-te-los-exposto-ao-virus-da-aids

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2006/08/05/bayer-sells-aids-infected-drug-banned-in-us-in-europe-asia.aspx

 

Perceba que, mesmo sabendo, mesmo tendo COMPLETO CONHECIMENTO sobre efeitos que já justificam a inserção de fortes restrições ao uso das drogas que comercializam, estas empresas nada fazem para alertar a população médica e o próprio consumidor sobre os altíssimos riscos contidos em seus produtos. O que vale mais:

  1. continuar “forçando” o uso de um medicamento que danifica/lesiona/incapacita pessoas e manter lucros e interesses internos, ou,
  2. jogar limpo e admitir que o produto que vendem realmente causa danos absurdos e incapacitantes, poupar possíveis futuros lesionados e criar uma cultura de “avaliação de riscos & benefícios” quanto ao uso destes produtos, inserir avisos apropriados e se for caso, retirar do mercado e admitir que o produto não tem as funções que se esperava, mesmo que isso signifique uma redução significativa de receita

Claro, a resposta é ÓBVIA! Portanto, sabendo que as coisas estão se desenvolvendo desta forma, não confie no sistema médico nem nas farmacêuticas sem antes avaliar se o que oferecem realmente procede. Vale lembrar que o sistema de saúde é altamente influenciável por farmacêuticas. É um julgamento um tanto quanto defensivo, mas é assim que se sobrevive ao caos de conflito de interesses que vivemos hoje em dia: Produtos que funcionam vs LUCRO.

 

ARTIGOS

  1. Efeito do uso de ciprofloxacina nos estados de agregação ordenada do colágeno em tendão calcâneo

TOLENTINO, F. T.; VIDAL, B. C. – Instituto de Biologia – UNICAMP

http://www.prp.rei.unicamp.br/pibic/congressos/xviiicongresso/paineis/070830.pdf

 “Conclusão:

O uso de CFX pode reduzir significativamente a ordem molecular das fibras de colágeno em tendões calcâneo, devido a falhas na síntese de colágeno e proteoglicanos e ao aumento na degradação da MEC.

Essas alterações parecem ser dose dependentes. Perdas na ordem molecular das fibras de colágeno podem prejudicar a sinalização na MEC, causando problemas na resposta dos fibroblastos mediante aos estímulos, justificando problemas biomecânicos relatados para o tendão calcâneo.”

  A ciprofloxacina como um indutor de alterações da ordem molecular e da cristalinidade do colágeno em tendões

Felipe Thadeu Tolentino – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/55584/a-ciprofloxacina-como-um-indutor-de-alteracoes-da-ordem-molecular-e-da-cristalinidade-do-colageno-em/

  1. Antibióticos podem fazer mal às células humanas? O lado negro dos antibióticos

Gabriel Shimizu Bassi (FMRP-USP) – Blog da SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA – SBI

 http://blogdasbi.blogspot.com.br/2013/07/antibioticos-podem-fazer-mal-as-celulas.html

 “…pode-se perceber que as quinolonas causam danos em vários componentes celulares, tais como DNA, proteínas, lipídios e organelas (figura). Houve produção de ROS (entre elas superóxido mitocondrial e H2O2), dano ao DNA (medido pela quantificação da fosforilação da histona ϒ-H2AX, e por 8-OHdG, um produto do DNA oxidado) e quebra protéica (medido pelos níveis de carbonilas, resultado do dano oxidativo, e de MDA, produto final da peroxidação de lipídeos). Efeitos que foram causados pela disfunção mitocondrial devido à inibição de complexos (I-V) da cadeia de transporte de elétrons (ECT), diminuindo a função metabólica. Quando essas mesmas classes de antibióticos foram dadas a camundongos, foi detectado um aumento dos mesmos marcadores para os vários tipos de tecidos estudados. Mas será que esse efeito pode ser revertido ou minimizado?

figura_SBI

 Alterações morfológicas de mitocôndrias em células mamárias tratados ou não com ciprofloxacina. A incubação celular com ciprofloxacina por 24 horas alterou a morfologia mitocondrial, tornando-a anormalmente encurtada, edemaciada e fragmentada quando comparada com células não tratadas.”

 

  1. Antibióticos podem trazer efeitos colaterais piores do que a doença que combatem

“Em 2010, o Levaquin era o antibiótico mais vendido dos Estados Unidos. Mas, no ano passado, ele também foi alvo de mais de 2.00 processos de pacientes que sofreram reações severas após se submeterem ao tratamento.”

“Parte do problema ocorre pelo fato de que as fluroquinolonas são prescritas de forma inapropriada.”

“Em uma entrevista, Mahyar Etminan, epidemiologista farmacológico da Universidade de Columbia Britânica, afirmou que os medicamentos eram utilizados em excesso “por médicos preguiçosos que querem matar moscas com submetralhadoras”.

“Etminan realizou um estudo, publicado em abril no periódico The Journal of the American Medical Association, mostrando que o risco de sofrer um descolamento de retina era cinco vezes maior entre usuários de fluoroquinolonas, comparando-se com o restante da população. Em outro estudo enviado para publicação, Etminan documentou um significativo aumento no risco de falência renal entre os usuários desse tipo de medicamento.”

“Diretrizes da Sociedade Americana de Medicina Torácica afirmam que as fluoroquinolonas não deveriam ser utilizadas como tratamento primário…”

“Reações adversas a fluoroquinolonas podem ocorrer em quase qualquer parte do corpo. Além dos ocasionais efeitos colaterais nos sistemas renal, visual e musculoesquelético, em raras ocasiões o medicamento pode causar danos graves ao sistema nervoso central (causando confusão mental, depressão, alucinações e reações psicóticas), ao coração, fígado e pele (machucados dolorosos e que deixam cicatrizes), ao sistema gastrintestinal, à audição e ao metabolismo do açúcar no sangue.”

“Fluoroquinolonas são medicamentos de “tarja preta”, conforme exigido pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA), informando os médicos a respeito da relação com a tendinite e o rompimento de tendões, além da capacidade do medicamento de bloquear atividades neuromusculares. Entretanto, os pacientes raramente são informados dos riscos pelos médicos.”

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/bem-estar/noticia/2012/09/antibioticos-podem-trazer-efeitos-colaterais-piores-do-que-a-doenca-que-combatem-3899084.html

  1. As Fluoroquinolonas: A pior e mais perigosa classe de antibióticos do mercado

 “o antibiótico mais vendido em 2010, enfrenta milhares de processos por ano de pessoas que foram seriamente prejudicados após ingerir essa medicação.  As reações podem ser de sistêmicas, afetando o sistema nervoso central, os sistemas músculo-esqueléticas, visual e renal e às vezes simultaneamente. Entre as reações graves relatadas são:

O descolamento de retina, o que pode causar náuseas e diarréia cegueira e Alucinações Doença Renal aguda, reações psicóticas e problemas auditivos. Doenças Cerebrais diversas ( AVC) por exemplo:  alterações do metabolismo de açúcar no sangue, diabetes e hipoglicemia severa. Depressão, Fototoxicidade e Neuropatia periférica.

Em um estudo de 2001 pelo ‘Dr. Jay Cohen’, as taxas de reação seguintes foram:

Os sintomas do sistema nervoso ocorreu em 91% nos pacientes (dor, formigamento e dormência, tonturas, mal-estar, fraqueza, dores de cabeça, ansiedade e pânico, perda de memória, psicose); Sintomas músculo-esqueléticos em 73% dos pacientes (ruptura do tendão, tendinite, fraqueza, inchaço das articulações). Os sintomas sensoriais em 42 por cento dos pacientes (zumbido, alterado visuais, olfativas e função auditiva). Sintomas cardiovasculares em 36% dos pacientes (taquicardia, falta de ar, dor no peito, palpitações).

Reações cutâneas em 29% dos pacientes (erupções cutâneas, perda de cabelo, sudorese, intolerância ao calor ou frio) Os sintomas gastrointestinais em 18% dos pacientes (náuseas, vómitos, diarreia, dor abdominal).

Entretando existem outros antibióticos que seu médico pode lhe prescrever sem estes efeitos e perigos!”

Nota: perceba que os percentuais de incidência dos efeitos colaterais relatados na pesquisa do Dr. Cohen foram absurdamente altos para serem considerados seguros. E outra, um antibiótico que pode causar danos permanentes pode ser considerado seguro?

http://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/03/27/as-fluoroquinolonas-a-pior-e-mais-perigosa-classe-de-antibioticos-do-mercado/

 

  1. O Magnésio e o tratamento de danos provocados por Antibióticos

Dra. Carolyn Dean – Associação de Magnésio Nutricional

 http://solucaoperfeita.com/magnesio/o-magnesio-e-o-tratamento-de-danos-provocados-por-antibioticos

 

  1. Bactericidal antibiotics induce mitochondrial dysfunction and oxidative damage in Mammalian cells.

“O tratamento com antibióticos pode levar a efeitos secundários prejudiciais em pacientes, incluindo a ototoxicidade, nefrotoxicidade, e tendinopatia, no entanto, os mecanismos subjacentes aos efeitos de antibióticos em sistemas de mamíferos permanecem obscuros.”

“…Mostramos que doses clinicamente relevantes de antibióticos bactericidas-quinolonas, aminoglicosídeos, e β-lactâmicos podem causar disfunção mitocondrial e superprodução de ROS (espécies reativas de oxigênio) em células de mamíferos.”

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23825301

 Disfunções mitocondriais causam uma série de problemas e síndromes. Como um medicamento que desencadeia disfunções mitocondriais pode ser considerado seguro?

 

  1. Current Use Of Cipro And Levaquin Associated With Increased Risk Of Detached Retina Eye Injury

“Os doentes a tomar antibióticos orais conhecidos como fluoroquinolonas, como Cipro (ciprofloxacina) e Levaquin (levofloxacina) têm um risco aumentado de desenvolver um descolamento de retina, uma lesão ocular que pode levar à cegueira permanente se não for tratada clinicamente em tempo hábil.”

http://www.drug-injury.com/druginjurycom/2012/04/levaquin-cipro-eye-injury-retina-detached-blindness-antibiotics-fluoroquinolones-medical-study-jama.html

 

  1. A comparison of effects of fluoroquinolones on fracture healing (an experimental study in rats).

Conclusão: O estudo histopatológico atual tem mostrado que todas as fluoroquinolonas estudadas retardaram a consolidação de fraturas em ratos.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15688263

  1. The effect of ciprofloxacin on tendon, paratenon, and capsular fibroblast metabolism.

“Este estudo demonstra que a ciprofloxacina estimula a atividade  que degrada a protease de fibroblastos e que exerce um efeito inibidor sobre o metabolismo dos fibroblastos. O aumento na actividade de protease e a inibição da proliferação tanto de células e a síntese de substância fundamental da matriz pode contribuir para as tendinopatias clinicamente descritas associados com a terapia de ciprofloxacina.”

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10843129

10. Quinolone-Associated Rupture of the Achilles’ Tendon

Harsha Vyas, M.D., and Guha Krishnaswamy, M.D.

Quinolonas, podem facilitar a expressão aumentada de metaloproteinases da matriz em tecidos, o que por sua vez provoca lesão do tendão e é mais comum nos idosos e em pessoas que tomam corticosteróides.

http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMicm061227

 

 11. Effects of Ciprofloxacin and Ofloxacin on Adult Human Cartilage In Vitro

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC164164/pdf/412562.pdf

12. Quinolone binding to DNA is mediated by magnesium ions

Documento datado de 1992 sobre a relação magnésio-quinolona.

 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC50194/pdf/pnas01094-0315.pdf

 

 13. Antibiotics to Avoid Like the Plague Due to FDA’s Oversight Failure

Jay S. Cohen, M.D.
Associate Professor – Departments of Family and Preventive Medicine and of Psychiatry
- University of California, San Diego

Neste texto o Dr. Cohen esclarece fatos sobre a falha de fiscalização da FDA. Há também um documentário sobre o tema – Certain Adverse Events.

Perceba que aqui no Brasil não temos nem mesmo considerações da Agência resposável. É puro descaso e relapsidade que custam vidas de centenas de pessoas todos os anos (qualidade de vida e saúde são essenciais para que uma pessoa possa levar uma vida normal).

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/07/18/Antibiotics-to-Avoid-Like-the-Plague-Due-to-FDAs-Oversight-Failure.aspx

14. Oxidative Stress Induced by Fluoroquinolones on Treatment for Complicated Urinary Tract Infections in Indian Patients

O objetivo do estudo é analisar o estresse oxidativo em pacientes com fluoroquinolonas (ciprofloxacina, levofloxacina, gatifloxacina) terapia para infecções do trato urinário complicadas e correlacionar com as concentrações plasmáticas em intervalos de tempo diferentes. Superóxido dismutase (SOD), glutationa, a capacidade antioxidante do plasma e lipídios peróxidos foram avaliados em 52 pacientes em diferentes regimes de dosagem de até 5 dias. Ocorre uma elevação significativa e progressiva de níveis de peróxidos lipídicos em pacientes na ciprofloxacina (3,6 ± 0,34 nmol / ml para 6,2 ± 0,94 nmol / ml) e levofloxacina (3,5 ± 0,84 nmol / ml para 5,1 ± 0,28 nmol / ml), mas não o regime de dosagem com gatifloxacin (3,5 ± 0,84 nmol / ml para 3,74 ± 0,17 nmol.ml). Houve depleção substancial em ambos os níveis de SOD e glutationa particularmente com ciprofloxacina.

No 5 º dia de tratamento, a capacidade antioxidante do plasma diminuiu 77,6%, 50,5%, 7,56% para a ciprofloxacina, levofloxacina e gatifloxacina, respectivamente. Em conclusão ciprofloxacina e levofloxacina induzemespécies mais reativas de oxigênio que levam ao dano celular que gatifloxacina independentemente de suas concentrações na população de pacientes.

 EM RESUMO: AS FLUORQUINOLONAS CAUSAM ESTRESSE OXIDATIVO.

Em humanos, o stress oxidativo encontra-se ligado a diversas doenças, como a aterosclerose, a doença de Parkinson e a doença de Alzheimer. As espécies reactivas de oxigénio também podem agir de forma benéfica ao organismo, quando usadas pelo sistema imunitário para atacar e aniquilar agentes patogénicos ou quando actuam como moléculas mensageiras em vias de sinalização celular (também designada sinalização redox).

http://pt.wikipedia.org/wiki/Stress_oxidativo

Conclusão: Fluorquinolonas não são seguras. Não confie no que as propagandas dizem. Eles não sabem o que fazem. E se sabem, há muita má fé no que fazem.

Ainda é possível dizer mais: se o sistema de saúde fosse sério, a prescrição de medicamentos seguiria análises de riscos & benefícios. Não há como receitar algo sem ponderar seus riscos anteriormente.

Perceba que as verdades não são ditas e as informações restritas. É claro, a informação é valiosa, e valor é PODER!

6. Cipro & Flúor

Após extensas pesquisas sobre como superar os efeitos colaterais (que de colaterais nada têm – são todos extremamente adversos e que na grande maioria dos casos superam em muito os benefícios esperados pela droga) e visando entender o mecanismo que desencadeia a série de danos gerados pelas fluorquinolonas é impossível não discutir sobre Flúor.

 *Denomina-se efeito colateral como um efeito diferente daquele considerado como principal por um fármaco. Esse termo deve ser distingüido de efeito adverso, que se refere a um efeito colateral indesejado, pois um fármaco pode causar outros efeitos potencialmente benéficos além do principal.

 http://pt.wikipedia.org/wiki/Efeito_colateral

Vejamos alguns fatos:

As fluoroquinolonas apresentam um átomo de flúor não observado nas quinolonas. Ambas formam o grupo de antibióticos mais tóxico atualmente em uso com mais de 40% dos usuários sofrendo de efeitos colaterais. Mais de metade das drogas encontradas dentro desta classe já foram removidas do uso clínico devido a reações adversas que podem causar dano permanente. Processos em massa estão sendo litigados devido a esta classe causar rompimento de tendões espontâneo e a FDA passou a apresentar as drogas em Black Box, uma espécie de tarja preta desde 2008.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Quinolona

 Estas drogas com moléculas de fluoreto podem penetrar em tecidos muito sensíveis antes impermeáveis. As fluorquinolonas têm a habilidade única de penetrar no Sistema Nervoso Central (SNC), incluindo o cérebro.

Atualmente mais da metade dos antibioticos desta classe foram removidos da prática clinica devido seus severos efeitos colaterais. Omniflox, Raxar, Trovan, Zagam, and Tequin foram todos banidos. Entretanto Cipro, Levaquin, Avelox, e Floxin continuam sendo prescritos para uma variedade de infecções. Este super-antibioticos deveriam ser usados como ultima linha de tratamento. Na maioria dos casos, as reações adversas ocorrem muito rapidamente, as vezes após o consumo de poucas pílulas. As reações são múltiplas e envolvem muitos sistemas.

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/07/18/antibiotics-to-avoid-like-the-plague-due-to-fdas-oversight-failure.aspx

Sabendo que estas drogas carregam moléculas de fluoreto, vejamos alguns pontos sobre este elemento:

1. O FLÚOR É CONSIDERADO UM VENENO NA MAIORIA DOS PAÍSES DA EUROPA?

“A prática de fluoretação da água tem sido polêmica desde que foi implantada. Ela foi introduzida primeiramente nos Estados Unidos na década de 40, quando a cidad­e de Grand Rapids, em Michigan, adicionou fluoreto ao seu abastecimento público de água porque havia uma grande evidência de que isso ajudava a fortalecer os dentes e a manter a saúde oral.

Muitos de nós utilizam o creme dental com fluoreto para essa finalidade e organizações como a Associação Americana de Odontologia e a Federação Internacional de Odontologia acreditam que a água potável com adição de fluoreto pode ajudar os dentes da mesma maneira que o creme dental. Depois que a Organização Mundial da Saúde aprovou essa medida, em 1969, vários países pelo mundo começaram a fluoretar sua água potável.

Entretanto, dos anos 70 até os anos 90, alguns países europeus reverteram sua postura. Países como a Alemanha, a Suécia, os Países Baixos e a Finlândia suspenderam a fluoretação, enquanto a França sequer havia começado. Algumas fontes consideraram que os benefícios não compensavam, outras que a logística para certas áreas não era prática. Ainda houve algumas pessoas que alegaram que, tecnicamente, o fluoreto podia ser venenoso.

O fluoreto é encontrado naturalmente em qualquer lugar, incluindo algumas folhas de cháalgas marinhas, solo e rochas. Ele é colocado em cremes dentais e anti-sépticos bucais para prevenir cáries, mas também é adicionado em inseticidas e venenos para ratos.

Devido ao potencial do envenenamento por fluoreto, as crianças devem ter um acompanhamento durante a escovação dos dentes

A maioria dos casos de toxicidade por fluoreto ocorre quando alguém ingere tais venenos ou inseticidas. Essa é uma das razões para se guardar certos produtos fora do alcance de crianças. Quando alguém (normalmente uma criança) engole fluoreto, ele atinge o estômago e forma ácido fluorídrico, que pode irritar e corroer a parede do estômago. Quando o trato gastrointestinal (TGI) absorve o fluoreto, ele causa, no mínimo, fortes dores de estômago e diarréia. Também pode provocar sérios problemas gastrointestinais e, em doses acima de 3 mg/kg, convulsões. Em doses de 5 a 10 g para um adulto, ou 500 mg para uma criança, o envenenamento por fluoreto pode lesar órgãos vitais e causar morte.

Mas esse não é o tipo de envenenamento sobre o qual as pessoas falam quando discutem sobre a fluoretação da água. Elas referem-se a uma forma menos imediata que pode ser conseqüência da ingestão de água hiper-fluoretada por um período de tempo significativo – como anos, por exemplo. Nesse tipo de envenenamento por fluoreto, os efeitos relatados com mais freqüência são as fluoroses dentária e esquelética – condições que, ironicamente, enfraquecem os dentes e os ossos.”

indiano

Indiano de 8 anos aparenta sinais de intoxicação severa por flúor.

http://health.howstuffworks.com/wellness/oral-care/products/fluoride-poisoning.htm

2. FLUORETAÇÃO & FIBROMIALGIA

Sobre o tema, Tina Wright escreve em seu blog:

“”…A toxicidade de flúor tem os mesmos “sintomas” da fibromialgia. A fluoretação também está sendo relacionada com o aumento dos problemas de tireóide porque interfere com a absorção de iodo.

O flúor uma vez foi usado para tratar problemas de tireóide e muitos dos medicamentos atuais, como Flovent, Cipro e Prozac, contém teores de flúor.

Era ou ainda é utilizado em veneno de rato…

Enquanto a maioria dos especialistas acredita que a fluoretação da água está associada com um risco mínimo, um punhado de cientistas discordam. Este grupo crescente acredita que a fluoretação está associada com um risco inaceitável de danos ósseos.

Em troca de um modesto benefício dental, os riscos incluem fraturas e tumores ósseos. Pessoalmente, eu sei que isto tem sido debatido desde, pelo menos 1993-1994. Enquanto trabalhava em um hospital, me deparei com um artigo de uma das revistas especializadas em radiologia. O artigo correlacionava o percentual de cidades com fluoretação versus aqueles sem, e a percentagem relativa de fraturas de quadril e de baixa densidade óssea. Os resultados revelaram que as cidades que têm a menor densidade óssea e fraturas ósseas mais altas também fluoretam a água.

Também interessante é a forma com que o flúor está ligado à indústria de alumínio e teflon, que eu não sabia. Li recentemente que o flúor é teorizado para ajudar alumínio a atravessar a barreira sangue-cérebro por causa de como eles se ligam, uma vez ingerida. Isto é interessante por causa da doença de Alzheimer e ligação de alumínio.

Estudos recentes compararam as taxas de cavidade dentária em áreas que não fluoretam a água contra aqueles que o fazem. Embora os casos de fraturas ósseas, alterações da tireóide, doença de Alzheimer, fibromialgia, câncer infantil, e assim por diante, aumentou; as comunidades que fluoretam mostrar um benefício marginal em redução de cáries sobre aqueles que não o fazem. “”

http://www.fibromyalgia-support.net/articles/flouride.htm

  

3. INTOXICAÇÃO POR FLÚOR

O consumo excessivo de Flúor e seus efeitos:

Cérebro

Uma meta-análise realizada em 27 estudos epidemiológicos (a maioria da China), concluiu que a exposição a “altos níveis” de flúor na infância foi associada com uma redução no QI. Os autores observam que esta pesquisa não é aplicável à segurança da fluoretação da água artificial, porque os efeitos adversos sobre o QI foi encontrada com teores de flúor que eram muito maiores do que normalmente encontrado na água fluoretada artificialmente.

Ossos

Níveis tóxicos de fluoreto têm sido associados com o enfraquecimento dos ossos e um aumento fraturas de pulso e quadril.

Consumo de flúor em níveis além daqueles utilizados em água fluoretada para um longo período de tempo provoca a fluorose óssea. Em algumas áreas, particularmente o subcontinente asiático, fluorose esquelética é endêmica. É conhecido por causar sintomas de irritação do intestino delgado e dor nas articulações. Estágios iniciais não são clinicamente óbvios, e pode ser diagnosticada como artrite reumatóide ou espondilite anquilosante.

 Dentes

O único efeito adverso geralmente aceito de flúor em níveis utilizados para a fluoretação da água é a fluorose dental, que pode alterar a aparência dos dentes das crianças durante o desenvolvimento dentário; isso é mais leve e, geralmente, apenas uma preocupação estética. Comparado a água não fluoretada, a fluoretação de 1 mg / L é estimada para causar a fluorose em um de cada seis pessoas, e para causar fluorose de preocupação estética em uma de cada 22 pessoas.

Rim

Flúor Nefrotoxicidade Induzida é lesão renal devido a níveis tóxicos de flúor, geralmente devido à liberação de flúor de drogas contendo flúor.

Na dose recomendada, não são esperados efeitos, mas a ingestão crônica de mais de 12 mg/dia são esperadas para causar efeitos adversos, e uma ingestão elevada que é possível quando os níveis de flúor estão em torno de 4 mg / L. Aqueles com a função renal prejudicada são mais suscetíveis a efeitos adversos.

Tireóide

O Efeito supressor de flúor na tireóide é mais grave quando o iodo é deficiente, o fluoreto está associada a baixos níveis de iodo.

Vale alertar que o átomo de flúor esta difundido em drogas, por exemplo, Prozac e muitas outras substâncias.

http://en.wikipedia.org/wiki/Fluoride_toxicity

 

4. FLÚOR EM VENENO DE RATO

Desde o século XIX, o flúor tem sido um componente principal no veneno de rato e em inseticidas. Quando misturado em grãos ou outros alimentos, os ratos prontamente consumem o veneno e morrem. Esse método era considerado melhor em relação a outros compostos venenosos, pois era menos perigoso para os seres humanos e animais caso fosse ingerido acidentalmente. O uso de flúor em veneno de rato tem diminuído ao longo dos anos, sendo substituído por compostos que afinam o sangue e que são considerados mais seguros e mais eficazes.

http://www.ehow.com.br/fluor-veneno-rato-sobre_66060/ 

Flúor em veneno de rato

5. EPA REVERTE-SE EM FLÚOR – “EPA Reverses Itself on Fluoride”

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) comunicou que pretende baixar a quantidade máxima de fluoreto permitido na água de beber devido às crescentes evidencias de que haja efeitos deletérios (Nocivo à saúde; venenoso; insalubre) do químico para a saúde das crianças.

EPA – http://www.epa.gov/

http://www.foxnews.com/health/2011/02/22/epa-reverses-fluoride/

Efeito da exposição a longo prazo ao flúor na água potável sobre os riscos de fraturas ósseas – “Effect of long-term exposure to fluoride in drinking water on risks of bone fractures”

Conclui-se que a exposição ao fluoreto de longo prazo a partir de água potável contendo > ou = 4,32 ppm (partes por milhão) aumentam o risco de fraturas em geral, bem como fraturas de quadril.

Níveis de flúor na água 1,00-1,06 ppm diminuem o risco de fraturas em geral em relação ao flúor insignificante em água; no entanto, não parece apresentar benefícios similares para o risco de fraturas de quadril.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11341339

6. A fluoretação da água: uma margem muito estreita de Segurança

Em 2006, foi observado que há evidências “sugestivas” de que o risco de fratura óssea, aumenta quando os níveis de flúor aumenta de 1 a 4 mg / L. A figura a seguir vem de um dos estudos que a NRC (National Research Council) citou como fornecendo evidências de um risco de fratura abaixo de 4 mg / L:

GRÁFICO

Como esta figura mostra, o risco de fratura de quadril nestas populações mais do que duplicou nos níveis de flúor, entre 1 e 2,2 ppm. Embora este aumento não foi estatisticamente significativo, já sugere a existência de uma margem muito estreita de segurança entre o nível de fluoreto adicionado à água para a prevenção da cárie dentária e do nível de fluoreto que enfraquece osso.

Como pode ser visto, o risco de fratura da quadril foi distintamente elevada em populações com uma dose média de cerca de 6 a 8 mg por dia. Para colocar isto em perspectiva, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos estimou que os adultos que vivem em comunidades fluoretadas em os EUA geralmente ingerir entre 1,6 e 6,6 mg de flúor por dia. (DHHS 1991). Este intervalo de dose sobrepõe as doses associadas ao risco de fratura de quadril.

http://fluoridealert.org/issues/health/bone-fracture/

7. Israel bane a fluoretação de água: deve terminar até 2014!

A Suprema Corte de Israel decidiu que a fluoretação da água no país deve terminar em 2014. Israel empilha-se para uma grande lista de países e cidades que estão fazendo a decisão de remover o produto de resíduos tóxicos da água municipal. A grande decisão vem com o ministro da saúde Yael German que apoia a pesquisa do cientista irlandês Declan Waugh, que tem vindo a ajudar as cidades nos países em todo o mundo a pôr fim a fluoretação da água ao longo dos últimos anos.

Israel é um dos poucos países que deixaram a fluoretação de água ocorrer largamente. Os outros principais países são os Estados Unidos, Canadá, Irlanda, Nova Zelândia, Inglaterra e Austrália. A decisão de Israel vem depois de várias outras grandes cidades e regiões banirem recentemente o flúor, incluindo: Portland Oregon, comunidades na Austrália, e Windsor, Ontário. O flúor também foi recentemente derrubado em Hamilton, a quarta cidade mais populosa da Nova Zelândia.

8. A fluoretação não é necessária

A maioria, dos países industrializados ocidentais rejeitaram a fluoretação da água, mas, no entanto, experimentaram o mesmo declínio na cárie dentária infantil como países fluoretados. (Veja dados da Organização Mundial de Saúde apresentados graficamente na Figura).

Queda de dentes vs Fluoretação

9. Artigo da HARVARD: O impacto do flúor no desenvolvimento neurológico em crianças

“…analisaram possíveis associações com medidas de QI em mais de 8.000 crianças em idade escolar; todos menos um estudo sugeriu que alto teor de flúor na água pode afetar negativamente o desenvolvimento cognitivo.

A perda média de QI foi relatada como uma diferença média ponderada padronizada de 0,45, o que seria aproximadamente equivalente a sete pontos de QI para escores de QI comumente usados ​​com um desvio padrão de 15.

Alguns estudos sugerem que até mesmo uma exposição um pouco maior de flúor pode ser tóxica para o cérebro. Assim, as crianças em áreas de alto teor flúor na água apresentaram escores de QI significativamente mais baixos do que aqueles que viviam em áreas de baixo teor de flúor.

Foram estudadas crianças de até 14 anos de idade, mas os pesquisadores especulam que qualquer efeito tóxico sobre o desenvolvimento do cérebro pode ter acontecido mais cedo, e que o cérebro pode não ser plenamente capaz de compensar a toxicidade.

“O flúor parece se encaixar com chumbo, mercúrio e outros venenos que causam esgotamento químico do cérebro”, diz Grandjean. “O efeito de cada substância tóxica pode parecer pequeno, mas o dano combinado em uma escala populacional podem ser graves, especialmente porque o poder do cérebro da próxima geração é crucial para todos nós.”

http://www.hsph.harvard.edu/news/features/fluoride-childrens-health-grandjean-choi/

10.  O que é Fibromialgia segundo a Unifesp

A síndrome Fibromialgia é uma doença comum e crônica caracterizada por dor muscular abrangente, fadiga, e múltiplos pontos sensíveis. A palavra Fibromialgia vem do termo do Latim para tecido fibroso (fibro) e do Grego para músculo (myo) e dor (algia). Pontos sensíveis são locais específicos do corpo – no pescoço, ombros, costas, quadris, e extremidades superiores e inferiores – onde pessoas com Fibromialgia sentem dor causada por leve pressão.

Os medicamentos mais prescritos para fibromialgia… …Podemos citar como exemplo dessa classe de medicamento a fluoxetina (prozac). Raramente são prescritos sozinhos para o tratamento da síndrome. Geralmente os médicos associam este medicamento com outro antidepressivo.

http://www.unifesp.br/grupos/fibromialgia/perg_resp3.htm

Os sintomas da fibromialgia correspondem exatamente aos da forma mais grave de intoxicação por flúor ou fluorose sistêmica.

http://www.life-enthusiast.com/fluoride-the-cause-of-fibromyalgia-a-3782.html

Sabendo que o prozac contém flúor, que um dos tratamentos da fibromialgia recomendados é através de seu uso e que a intoxicação por flúor causa os mesmos sintomas do problema que se procura solucionar com a droga, não seria um tanto quanto estranho tratar a fibromialgia com esta droga, uma droga que contém flúor e que por sua vez causa fibromialgia?

É, veja que há uma característica EXPERIMENTAL ainda muito grande nas soluções farmacêuticas apresentadas. Com as Fluorquinolonas não é diferente.

11 . Artigo da Revista Super Interessante: Entenda a polêmica sobre a fluoretação da água

O Manual da Funasa também discorre sobre a toxicidade da substância: “pode-se afirmar que o flúor é uma substância tóxica quando ingerido em altas doses. Os efeitos desencadeiam distúrbios gástricos reversíveis e redução temporária da capacidade urinária, fluorose dentária ou esquelética e, eventualmente, até mesmo a morte, uma vez que estão diretamente relacionados à dose, tempo de ingestão e idade”.

E aponta com detalhes todos os cuidados técnicos de transporte, armazenagem e dosagem que devem ser tomados para a manipulação de substâncias como o Fluossilicato de Sódio, “produto de natureza tóxica, sólido na forma de pó branco brilhante e cristalino, que apresenta baixa solubilidade e é corrosivo”, e o Ácido Fluossilícico, “subproduto da indústria de fertilizantes, altamente solúvel e corrosivo, o que dificulta o seu transporte e requer reservatórios apropriados”.

Historicamente, as medidas de fluoretação de água se tornaram uma saída conveniente e uma prática lucrativa para o descarte do lixo tóxico das indústrias de fosfato, explica o documentário – que também deixa um questionamento no ar: como pode ser saudável ingerir um produto classificado como lixo tóxico?

http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/entenda-a-polemica-sobre-a-fluoretacao-da-agua/

1

Vale lembrar que o flúor também é um subproduto efluente da produção do alumínio.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fl%C3%BAor

12. MAIS

Veja uma pesquisa de imagens sobre o tema “fluoride”:

https://www.google.com.br/search?q=fluoride&newwindow=1&es_sm=122&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=ovm-U53uHbPjsASAm4LYAg&ved=0CAgQ_AUoAQ&biw=1366&bih=677

Existem algumas páginas que alegam sobre a fluoretação ter sido usada por nazistas visando o controle de massas, questão que não será discutida aqui, uma dessas páginas você encontra aqui:

http://rense.com/general79/hd3.htm

13. EM SUMA

Se pesquisadores têm revelado que o flúor é sim, tóxico, se usado em quantidades superiores ao que tolera cada pessoa – há rumores de que os efeitos da cipro são variados nas pessoas devido seus níveis particulares de tolerância ao flúor – e que diversos medicamentos possuem flúor em sua composição, como certificar-se de que consumimos uma quantidade segura de flúor?

O descontentamento é o primeiro passo na evolução de um homem ou de uma nação.

Oscar Wilde 

5. Carta para o congresso americano

Confira a tradução do link: http://www.medicationsense.com/articles/jan_mar_04/congress_ltr.html

Uma Carta Aberta Para o congressista Holt sobre graves, incapacitantes reações vinculadas ao Cipro, Levaquin e outros antibióticos de fluoroquinolona.

——-

Caro congressista Holt,

Obrigado por tomar o tempo para falar com as pessoas preocupadas com, ou danificadas com reações associadas com antibióticos de fluoroquinolonas (por exemplo, Levaquin, Cipro, floxin, Tequin). Eu sou o autor de um estudo sobre as reações graves, a longo prazo fluoroquinolonas publicadas na edição dos Anais da Farmacoterapia Dezembro de 2001. 1 Na verdade, a editora e eu pré-lançado neste artigo em outubro de 2001, durante o susto de antraz quando Cipro foi sendo prescrito de forma indiscriminada e sem avisos para os pacientes. Poucos dias após a publicação do meu artigo, os Centros dos EUA para Controle de Doenças mudaram suas diretrizes, colocando a doxiciclina antibióticos e penicilina acima Cipro como os tratamentos preferidos para exposição ao antraz. Doxiciclina e penicilina são associados com efeitos colaterais graves menores do que as fluoroquinolonas, e elas não estão ligadas com as devastadoras, incapacitantes, reações de longo prazo que o meu estudo identificadou.

Estas reações graves estão ocorrendo em pacientes que são geralmente saudáveis, ativos e jovens. Na maioria das vezes, os antibióticos são prescritos para infecções leves, tais como infecções sinusite, urinário ou da próstata. A maioria das reações ocorrem muito rapidamente, às vezes com apenas algumas doses do antibiótico fluoroquinolona. As reações são agudas, graves, assustadoras, e muitas vezes incapacitantes. Na maioria dos casos, os efeitos secundários são múltiplos, envolvendo diversos sistemas do corpo. No meu estudo, os efeitos colaterais no sistema nervoso ocorreu em 91% dos pacientes, 73% músculo-esquelético, sistema sensorial 42%, 36% cardiovascular, pele 29%, 18% gastrointestinal.

Estes números não captam adequadamente a gravidade e permanência dessas reações. Aqui estão alguns exemplos:


Homem, 36 anos, anteriormente em boa saúde, recebeu Cipro para uma possível infecção urinária: crônica, debilitante neuropatia multi-focal, fibromialgia, fadiga crônica, problemas gastrointestinais, arritmia cardíaca necessitando de marca-passo, síndrome do túnel do carpo, várias dores articulares crônicas, dor crônica. Capacidade funcional: desativado. Duração: 5 anos (paciente agora aos 41 anos).

Feminino, 32 anos, previamente, em bom estado de saúde, recebeu Cipro para infecção urinária: Após 5 dias, evoluiu com dor nos punhos, pescoço, costas, tendões joelhos, quadris, cotovelos, ombros, e de Aquiles. Tendo dificuldade em escrever. Propedêutica médica normal. Capacidade funcional: muito limitado.

Feminino: 47 anos, anteriormente em bom estado de saúde, recebeu Levaquin para sinusite: Dentro de 2 dias desenvolvidas dor nas articulações (grave em mãos), insônia, agitação intensa, fraqueza, tonturas, fadiga severa, infusão mental, sonhos anormais, sintomas gastrointestinais. Duração: Still grave após 7 meses.

Feminino, 49 anos, previamente, em bom estado de saúde, recebeu Floxin para uma infecção pélvica: dor em queimação, perda de memória, dores articulares, palpitações, dor no nervo, insônia, sensação anormal de cheiro, tinnitis, ataques de pânico. Duração: mais de 3 anos.

Homem, 34 anos, anteriormente em boa saúde, recebeu Levaquin para a infecção da próstata: espasmos musculares e espasmos, dormência, coordenação prejudicada, fraqueza, aumento da sensibilidade à temperatura, fadiga, múltiplas articulações, dor muscular, palpitações, visão turva. Duração: mais de 1 ano.

Homem, 35 anos de idade, com boa saúde, recebeu Levaquin para a infecção da próstata: 1 dose foi seguido por um zumbido nos ouvidos e sintomas de nervos periféricos com duração de 2 semanas.Então tendinite começou em ombros, cotovelos, punhos, mãos e tendões de Aquiles, com dor em queimação e sensação de aperto em bezerros. Depois de dois meses, ainda incapaz de andar mais de uma distância curta. Este homem me disse: “Antes de tomar a medicação, perguntei sobre os efeitos colaterais e foi dito que não havia nenhum para adultos, exceto uma dor de estômago. Depois me disseram que o que eu estava sentindo não poderia estar relacionada com a droga. Obviamente, o médico tinha nunca leu a documentação que indique o contrário. “

 Estes não são casos isolados. Desde a publicação do meu artigo com seus 45 casos de dois anos e meio atrás, eu recebi e-mails de mais de 100 pessoas que procuram ajuda para suas reações. 

Na maioria dos casos, os médicos descartaram suas queixas ou negam definitivamente que as reações podem ocorrer com fluoroquinolonas.

No entanto, extensas análises médicas não encontram qualquer outra causa. Pior, não existem tratamentos eficazes conhecidos. Assim, essas pessoas sofrem dor e incapacidade por semanas, meses, anos.

No geral, minha impressão é que essas reações não são raras. Falei com a Food and Drug Administration (Agência de Vigilância Americana) sobre isso. Estou chocado como a agência ainda não agiu. Outras reações graves, como a síndrome de Stevens-Johnson ou síndrome de Churg Strauss de medicamentos são postadas em destaque nos rótulos de medicamentos. Estas reações são muito mais raros do que os que ocorrem com fluoroquinolonas. No mínimo, as caixas pretas devem ser colocados em bula sobre fluoroquinolonas, reações multi-sistema graves. 

Eu prontamente concordo que fluoroquinolonas desempenha um papel importante no tratamento de doenças infecciosas, mas devemos alertar os médicos e pacientes sobre os potenciais efeitos devastadores ligados a essas drogas. Precisamos educá-los de que, se ocorrer qualquer sinal de reações, tais sinais devem ser comunicados imediatamente e as drogas deve ser interrompido. Os pacientes têm o direito de consentimento informado, e isso inclui avisos de potenciais graves, reações incapacitantes. Acima de tudo, temos de educar os médicos para evitar a prescrição de fluoroquinolonas para infecções menores, em vez de salvá-los para infecções graves, assim como fazemos com outros grupos de antibióticos com toxicidades graves.

Eu espero que você vai encare seriamente este problema e responda adequadamente. Essas pessoas precisam de sua ajuda. Este é um problema em grande parte evitável. Obrigado.

Jay S. Cohen, MD
Professor Associado (voluntária)
Departamentos de Medicina Preventiva e Família e de Psiquiatria
Universidade da Califórnia, San Diego

——-

Vale lembrar que em última instância de uso ou não, não é possível saber quem será afetado pelos efeitos colaterais e qual a dosagem que dispara os efeitos em cada pessoa. Logo, usar este medicamento é simplesmente brincar de roleta russa.

As quinolonas sem dúvidas não são seguras e enquanto não houver um teste que determine quem estará suscetível aos efeitos colaterais, não há lógica alguma em permitir a comercialização de quinolonas.

O que vivemos é uma verdadeira fase de experimentação pública!

Por que a Agência Brasileira não tarjou nem inseriu avisos nas caixas das drogas comercializadas por aqui mesmo passados 5 anos do feito nos EUA?? Por que as classes médicas não se manifestam?? Por que existem médicos que receitam marcas de quinolonas??

 

———-

 

“”Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue:””…””Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguémA ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda.”

Os FLOXIES sabem bem…

https://www.facebook.com/FluoroquinoloneToxicity

FIQUE INTEIRO: QUINOLONAS NÃO!!!

4. A “AAPM” não recomenda o uso em atletas

Veja o documento que a “American Academy of Physical Medicine and Rehabilitation” publicou em 2011:

Clique para acessar o Hall-2011.pdf

Na página 140, a Academia recomenda que atletas não utilizem quinolonas, a não ser que outra alternativa não esteja disponível. Expressa ainda que recomenda-se precaução na prescrição de antibióticos de fluoroquinolonas quando outras classes de antibióticos estão disponíveis. Finaliza, esclarecendo que os pacientes devem sempre ser orientados sobre os riscos das quinolonas, mesmo quando sua prescrição seguir padrões de recomendação.

Se não é recomendado para atletas, por quê diabos seria para a população?? Rompimento de tendões, artrite, artrose e demais complicações causam danos à vida de qualquer pessoa, não só de atletas. Todos necessitam de seus corpos em condições plenas para desenvolverem suas funções.

Qualquer pessoa que fosse alertada sobre os riscos destas drogas não faria seu uso sem que fossem esgotadas todas as outras possibilidades. Veja que a grande maioria dos médicos desconhece os efeitos colaterais do medicamento que prescreve (no caso das quinolonas) e não alertam os pacientes sobre os riscos inerentes ao medicamento. Pois, estão acostumados com medicamentos de efeitos colaterais passageiros (a própria bula das quinolonas não informa sobre as durações dos efeitos e nem sobre a deformação que estas drogas causam, recentemente tem-se tido algumas alterações). Os pacientes confiam em seus médicos e simplesmente não tem condições de fazer uma análise de risco x benefício. Que se fosse feita, levaria a uma queda brutal no consumo destas drogas. 

As fabricantes já sabem há tempos que os antibióticos que fabricam causam danos significativos (desde 2000 são realizadas séries de pesquisas sobre os efeitos colaterais desta classe de drogas) e os médicos acabam se tornando apenas ferramentas de distribuição destas drogas (excetuando-se aqueles inescrupulosos que prescrevem marca em troca de favores financeiros) que lesam pessoas mesmo sem saber o que estão realmente fazendo.

 

Confira:

 

QUINOLONAS: FIQUE INTEIRO, DIGA NÃO! 

 

3. Organizações

Felizmente existem muitas pessoas e profissionais competentes e bem intencionados. Algumas destas pessoas atuam na área de pesquisa dos efeitos colaterais das quinolonas.

Quinolona Vigilance Fundation (QVF): organizacao sem fins lucrativos, fundação de caridade que financia a pesquisa sobre a toxicidade das fluoroquinolonas e ajuda a aumentar a conscientização sobre os perigos entre os pacientes e os profissionais da área médica.

http://www.saferpills.org/

Universidade da California – San Diego: realiza um novo estudo para identificar e descrever os efeitos adversos associados a antibióticos de fluoroquinolonas.

http://www.fqstudy.info/Fluoroquinolone_Effects_Study/Welcome.html

Public Citizen: organização que processou a FDA (agência de vigilância americana) para que esta tomasse atitudes quanto aos efeitos colaterais absurdos das quinolonas.

Esta organização pressionou e conseguiu mudanças: A FDA emitiu dois avisos diretos nas caixas e mudança de tarja do medicamento.

http://www.citizen.org/

Veja o comunicado da FDA em 2008.

POR QUE NADA FOI INFORMADO AOS BRASILEIROS??

2. Links direcionados

Para quem era saudável e em questão de algumas pílulas já não é mais a mesma pessoa, é muito importante entender o que acontece e perceber que você não está sozinho. Recomendo que pesquise sobre o assunto e siga algum grupo de debate sobre o tema, esse é um fardo muito difícil para carregar sozinho.

links

*Observe que encontramos depoimentos e sites muito deprecivos em algumas ocasiões, creio que não vale a pena ler esse tipo de material. A recuperação é muito relativa, depende da dose consumida e de como reage seu organismo. É importante manter-se positivo para que o cerébro estruture indiretamente sua recuperação.

Pensamento positivo e recuperação

 Já me deparei com depoimentos de pessoas que se recuperaram ao menos em 99%. Continuemos positivos!

Infelizmente o assunto não é debatido em português, acredito até que a grande maioria dos médicos até mesmo desconhece os efeitos da droga que prescreve, como ocorreu no meu caso. Pricipalmente Urologistas e Pneumologistas. De qualquer forma, para ler os artigos em inglês pode-se utilizar o google tradutor:

Tradutor do google

Apenas arraste o link do site para a caixa do tradutor que ele traduz o site.

Lembre-se sempre:

“Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe”

Links:

Grupos de discusão/Comunidades/Blogs:

https://www.facebook.com/FluoroquinoloneToxicity

http://www.survivingcipro.com

http://floxiehope.com

http://www.antibiotics.org/

Debate sobre reversão dos sintomas

http://www.topix.com/forum/drug/levaquin/TONDJE7VOA3H95IMO/p40

Sites de rating, revisões e sintomas de medicamentos

http://www.consumeraffairs.com/rx/cipro.html

http://www.ehealthme.com/ds/cipro/photophobia

1. A infernal Ciprofloxacina e suas companheiras quinolonas

Após diversos processos voltados à Food and Drug Administration, conduzidos por organizações como a Public Citizen, a Ciprofloxacina passou a ser apresentada em caixas com advertência preta (a classificação para as drogas com maior potencial de riscos) nos Estados Unidos.3 4 A FDA afirma que a medicação merecia fazer parte do grupo devido ao alto risco de rompimento de tendões.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciprofloxacina

The club may not be as elite as it once was — or perhaps, in an ideal world, should be — but the Food and Drug Administration has decided Cipro and its ilk deserve to be members.

http://latimesblogs.latimes.com/booster_shots/2008/07/cipro-joins-the.html

Prescrição que mata

-Você foi informado por seu médico sobre a troca de tarja, em julho de 2008 nos EUA, desta droga?

-Por que a ANVISA não seguiu umas das principais referências mundias no assunto (FDA), mesmo passados quase 5 anos?

-Por que não há avisos tanto na caixa como na bula brasileira sobre efeitos colaterais de longa duração (ou até mesmo permanentes) e seus riscos?

-Por que as informações sobre os casos não são divulgadas?

Confira:   https://www.facebook.com/FluoroquinoloneToxicity

-Por que a Big Pharma aceita pagar quantias enormes para finalizar diversos processos sobre propina, aos médicos e farmácias, relacionados à prescrição de medicamentos?

http://www.newser.com/story/177010/johnson-johnson-will-pay-22b-over-kickbacks.html

-Por que não existe informação em português sobre o tema?

Percebe-se que ao consumidor desta droga nada é claramente informado, ao menos o que realmente deveria e deve ser informado. Somente após sentir os sintomas colaterais e perceber sua intensificação, é que os consumidores (que foram intoxicados –  não se sabe ainda se esta seria a palavra certa, mas é a que é usual dentre os afetados) começam a pesquisar. Descobrem um mundo obscuro onde as informações são escassas e/ou não estão disponíveis (propositalmente ou não) e percebem que os efeitos são extremamente graves e que na grande maioria dos casos, o benefício não supera em nada o risco de exposição à droga.

As drogas quinolonas, hoje em dia prescritas como doce, na maioria das vezes por médicos desinformados que visam matar mosquitos com canhões, tem uso indiscriminado que pode acabar com vidas (podem invalidar pessoas). Frequentemente, simples infecções (em sua maioria urinárias e pulmonares) que poderiam ser tratadas com uma série de drogas concorrentes, são tratadas erroneamente com quinolonas.

As quinolonas devem ser utilizadas somente, somente, em última opção (e quando os benefícios comprovarem os riscos). Essa linha de pensamento deve ser inserida no contexto dos fármacos brasileiros e classes médicas, para que novas vidas não sejam destruídas pelos efeitos colaterais devastadores desta classe de drogas.

Se você fez uso de quinolonas (fluoroquinolonas) e sentiu os efeitos adversos, por favor, informe sua história à ANVISA, denuncie:

http://www1.anvisa.gov.br/ouvidoria/CadastroProcedimentoInternetACT.do?metodo=inicia